publication . Article . 2013

A SOCIEDADE E A SEXUALIDADE DA PESSOA CEGA: PRECONCEITO, CURIOSIDADE, INDIFERENÇA OU FALTA DE CONHECIMENTO?

Dalva Nazaré Ornelas França;
Open Access Portuguese
  • Published: 01 Jun 2013
  • Publisher: Universidad Militar Nueva Granada
Abstract
Este estudo teve por objetivo analisar como as pessoas cegas definem a percepção dos não cegos em relação a sua sexualidade. Participaram 11 (onze) pessoas com cegueira congênita de ambos os gêneros, com idades entre 22 e 54 anos e nível educacional do fundamental ao superior incompleto. Foram realizadas entrevistas semi estruturadas e sessões de grupo focal, com uso de gravador. As entrevistas e as sessões de grupo focal foram transcritas na integra e analisadas qualitativamente, à luz da hermenêutica dialética, buscando uma articulação entre os dados empíricos e os referenciais teóricos. Emergiram duas categorias: 1) A pessoa cega vista como assexuada; 2) Falt...
Subjects
free text keywords: Sexualidad, Ceguera, Sociedad, Derechos Humanos, Sexuality, Blindness Society, Human Rights, Sexualidade, Cegueira, Sociedade, Direitos Humanos, Medical philosophy. Medical ethics, R723-726, Ethics, BJ1-1725
22 references, page 1 of 2

• United Nations General Assembly Meeting, 183 (1948). Paris. Universal Declartion of Human Rights…Disponivel em http// www.unicrio.org.br/BibliotecaTextos.php?=udhr.htm.

• Brasil, Presidência da Republica, Secretaria Especial dos Direitos Humanos (2008). A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: versão comentada. 2ed. Brasília.

• RIBEIRO, L. L. G. (2010). Manual dos Direitos da Pessoa com Deficiência. São Paulo: Verbatim.

• FRANÇA, D. N. O.; AZEVÊDO, E. E. S. (2002). Imagem Corporal de adolescentes com cegueira em escolas públicas de Feira de Santana, 105 f. Dissertação (Mestrado em Educação Especial). Universidade Estadual de Feira de Santana e Centro de Referencia Latino-americano para La Educacion Especial - Havana - Cuba.

• GOMES, G. (2007, dezembro). Saúde elabora políticas de educação sexual para pessoas com deficiência. Agência Brasil, Brasília. Recuperado em 21 janeiro de 2013 http// W W W.agenciabrasil.gov.br/noticias/2007/12/matéria.2007 1211.9070495213/view.

• ICO - Conselho Internacional de oftalmologia. http://www.icoph.org/pt/ recuperado em 15 de dezembro de 2012.

• NUNES, S. S.; LOMONACO, J. F. B. (2011). Desenvolvimento de conceitos em cegos congênitos: caminhos de aquisição do conhecimento. Psicologia escolar e educacional. vol. 12, No. 1, Campinas-SP: 2008. revista@abrapee.psc.br recuperado 20 de janeiro de 2013.

• MAIA, A. C. B. (2008). Enxergando através do amor: deficiên - cias sensoriais e sexualidade ou o amor e os sentidos. In: Assumpção Jr., F. B. Almeida, T. (org.). Sexualidade, Cinema e Deficiência. São Paulo: Livraria Medica Paulista.

• MINAYO, M. C. S. (2010). O Desafio do Conhecimento: pesqui - sa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucite, 12ed.

• LEBEDEFF, T. B. (1994.). Aprendendo com o toque: reflexões e sugestões para uma educação sexual adaptada ao portador de deficiência visual. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, vol. 1, No. 2, pp. 31-37,

• CORDEIRO, I. D.; PINTO, A. P. (2008). Aids e decfiiências: os direitos humanos como interface. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS. Brasília - DF

• PINEL, A. C. (1993). A restauração da Vênus de Milo: dos mitos à realidade sexual da pessoa deifciente. In: M. Ribeiro (org.). Educação sexual: novas idéias, Novas conquistas. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, pp. 307-325.

• OMOTE, S. (1994). “Deficiência e não deficiência: recortes do mesmo tecido”. In: Revista Brasileira de Educação Especial [online], Marília, vol. 1, No. 2, pp. 65-73, recuperado em 15 de dezembro de 2012.

• FREITAS, A. F.; SEIDL, E. F. (2011). “Estudo sobre a heteronomia na assistência em saúde a crianças e adolescentes com necessidades especiais”. Revista Bioética. Brasília, vol. 19, No. 1, pp.119-140, Conselho Federal de Medicina.

• REINALDO, A. (2004). “O principio da autonomia e os aspectos éticos do cuidado na assistência em saúde mental”. Mundo Saúde. Jul/Set; 28 (3), pp. 332-5.

22 references, page 1 of 2
Powered by OpenAIRE Research Graph
Any information missing or wrong?Report an Issue