CONTROLE PÓS-COLHEITA DA PODRIDÃO PARDA DO PESSEGUEIRO COM FUNGICIDAS EM PRÉ-COLHEITA E TRICHODERMA EM PÓS-COLHEITA

Master thesis Portuguese OPEN
Elizandra Pivotto Pavanello (2012)
  • Publisher: Universidade Federal de Santa Maria
  • Subject: escurecimento da epiderme | controle biológico | controle químico | Monilinia fructicola | AGRONOMIA | chemical control | biological control | skin browning

O objetivo do presente trabalho foi avaliar a eficiência da aplicação pré-colheita de fungicidas no controle da podridão parda em pós-colheita e verificar o seu efeito quando associado a fungos antagonistas, assegurando eficiência no controle da doença e qualidade dos frutos. Para tanto, avaliou-se o efeito da aplicação de fungicidas em pré-colheita no controle da podridão parda do pessegueiro após 15 e 40 dias de armazenamento refrigerado dos frutos, além da associação de fungicidas com o tratamento pós-colheita com o fungo antagonista, Trichoderma harzianum. Para isso, foram instalados dois experimentos. No primeiro foram avaliados programas fitossanitários com os seguintes produtos (ingredientes ativos): [1] testemunha (aplicação de água); [2] captana; [3] iprodiona; [4] iminoctadina; [5] tebuconazol; [6] procimidona; [7] azoxistrobina; [8] difenoconazol; [9] fungicida (azoxistrobina/difenoconazol); [10] fungicida (trifloxistrobina/tebuconazol); [11] sequência de iminoctadina + captana; [12] sequência de iminoctadina + iprodiona; [13] sequência de tebuconazol + captana; [14] sequência de tebuconazol + iprodiona. Todos os tratamentos foram aplicados na fase pré-colheita, nas doses recomendadas para a cultura. Após a colheita os frutos foram armazenados a -0,5 C por 15 e 40 dias. O segundo experimento constituiu-se da aplicação pré-colheita dos seguintes produtos: [1] testemunha (aplicação de água); [2] captana; [3] iprodiona; [4] iminoctadina; [5] tebuconazol. Após a colheita os frutos foram armazenados a -0,5 C por 40 dias e na sequência, na metade dos frutos de cada tratamento foi aplicado o fungo antagonista Trichoderma harzianum, por meio de imersão. Ambos os experimento foram avaliados após a exposição dos frutos à temperatura de 20 C, por um período que variou de quatro a 12 dias, dependendo do tempo de armazenamento de cada experimento. Os parâmetros avaliados foram: incidência de podridão parda, porcentagem de frutos sadios, taxa respiratória, produção de etileno e escurecimento da epiderme. Até o momento da colheita, o fungicida que melhor controlou a podridão parda foi o difenoconazol, enquanto que, os fungicidas iminoctadina e tebuconazol apresentam resultados satisfatórios no controle da podridão parda, após 15 e 40 dias de armazenamento refrigerado. A utilização do Trichoderma harzianum em pós-colheita não apresenta efeito no controle da podridão parda do pessegueiro, entretanto, quando associado a fungicidas é eficiente no controle de Rhizopus stolonifer. A aplicação pré-colheita do fungicida captana e a utilização pós-colheita de Trichoderma harzianum afetam a qualidade pós-colheita dos frutos, causando escurecimento da epiderme. The aim of the present work was to evaluate the efficiency of pre-harvest application of fungicides on control of brown rot on postharvest and verify their effect when associated with fungal antagonists, ensuring efficiency in the control of disease and quality of fruit. We evaluated the effect of application of fungicides on pre-harvest in the control of brown rot after 15 and 40 days of refrigerated storage of fruits, in addition to the association of fungicides with postharvest treatment with the fungus antagonist, Trichoderma harzianum. To do this, were established two experiments. At the first, phytosanitary programs (active ingredients) were evaluated: [1] control (application of water); [2] captan; [3] iprodione; [4] iminoctadine; [5] tebuconazole; [6] procymidone; [7] azoxystrobin; [8] difenoconazole; [9] fungicide (azoxystrobin/difenoconazole); [10] fungicide (trifloxystrobin/tebuconazole); [11] sequence iminoctadine + captana; [12] sequence of iprodione + iminoctadina; [13] sequence of tebuconazole + captan; [14] sequence of tebuconazole + iprodione. All treatments were applied in the pre-harvest phase, in recommended doses for culture. After harvesting the fruits were stored at -0.5 C for 15 and 40 days. In the second experiment were evaluated the pre-harvest application of following products: [1] control (application of water); [2] captan; [3] iprodione; [4] iminoctadine; [5] tebuconazole. After harvesting the fruits were stored at -0.5 C for 40 days and following, in half of the fruits of each treatment was applied the antagonist Trichoderma harzianum, through immersion. Both experiments were evaluated after exposure of fruit to 20 C for a period that varied from four to 12 days, depending on the storage time of each experiment. The parameters evaluated were: incidence of brown rot, percentage of healthy fruits, respiratory rate, ethylene production and skin browning. Until the time of harvesting the fungicide which best controlled the brown rot was the difenoconazole, whereas, the fungicides tebuconazole and iminoctadina have satisfactory results in control of brown rot, after 15 and 40 days of refrigerated storage. The use of Trichoderma harzianum has no effect on postharvest control of brown rot, however, when associated with fungicides is effective in the control of Rhizopus stolonifer. Pre-harvest application of fungicide captan and postharvest of Trichoderma harzianum affect postharvest quality of fruits, causing skin browning.
Share - Bookmark