UNIDADES DE CONSERVAÇÃO COM FRONTEIRA AGRÍCOLA PODEM EVITAR INVASÕES? O CASO DA RÃ-TOURO NA MATA ATLÂNTICA DO SUL DO BRASIL

Master thesis Portuguese OPEN
Bruno Madalozzo (2013)
  • Publisher: Universidade Federal de Santa Maria
  • Subject: Brasil | invasão | borda florestal | áreas protegidas | Lithobates catesbeianus | Espécies invasoras | CIENCIAS BIOLOGICAS | Invasive species | protected areas | forest edge | invasion | Brazil

Lithobates catesbeianus, a rã-touro, é considerada uma das 100 espécies invasoras mais prejudiciais do planeta. Predições com base em modelagens climáticas e topográficas evidenciam muitas regiões pertencentes ao bioma Mata Atlântica como favoráveis para o estabelecimento da espécie. Modelos que preveem o aumento de temperatura e maior concentração de gases ligados ao efeito estufa colocaram áreas protegidas do bioma como propícias à invasão nos próximos anos. Nós amostramos 36 corpos de água localizados em uma unidade de conservação e áreas agrícolas do entorno através de um gradiente floresta-borda-lavoura. Buscamos dados de abundância e indícios de reprodução de L. catesbeianus nesses locais para compreender quais os principais fatores locais e da paisagem que explicam a distribuição da espécie. Nossos dados demonstraram que a Lithobates catesbeianus responde principalmente ao gradiente área-hidroperíodo-profundidade (fatores locais) e de maneira secundária ao gradiente ambiental florestaborda-lavoura (fatores da paisagem). Estratégias de manejo de populações invasoras aquáticas como L. catesbeianus devem enfocar tanto no manejo da paisagem quanto em manejo dos corpos dágua presentes na zona do entorno. A fiscalização da construção de corpos dágua com grandes áreas (ou profundos e permanentes) nas bordas e áreas de entorno às unidades de conservação pode ser eficaz , sendo a utilização do manejo florestal-agrícola um complemento importante para evitar invasões. Lithobates catesbeianus, the bullfrog is considered one of the 100 more prejudicial invasive species of the planet. Predictions based on climatic and topographic models showed atlantic forest biome regions of southern Brazil as favorable to invasive populations become established. Models that predict increase of temperature and gases concentration related with greenhouse effect, showed protected areas of the biome as propitious to invasion in the coming years. We conducted surveys at 36 waterbodies located in a protected area and anthropic adjacent locations through a forest-edge-farming gradient. We collected data on abundance and breeding to understand which the main descriptors (local and landscape) explained the bullfrog distribution. Our results showed that L. catesbeianus is mainly related with area-hidroperiod-deep gradient (local descriptors) and secondarily with environment gradient florest-edge-agriculture (landscape descriptors). Management strategies of aquatic invader populations as bullfrogs should focus both the management of landscape and waterbodies located at the edge. The supervision of large waterbodies (permanent or deep) construction in the park edge and adjacent areas can be effective, and the use of forest-agriculture management could be an important complement to prevent invasions.
Share - Bookmark