Efeito da dieta com restrição de lactose em pacientes com síndrome do intestino irritável

Master thesis Portuguese OPEN
Marília Pinheiro César (2013)
  • Publisher: Universidade de São Paulo
  • Subject: Breath tests | Diet carbohydrate-restricted | Dieta com restrição de carboidratos | Intolerância à lactose | Irritable bowel syndrome | Lactose intolerance | Síndrome do intestino irritável | Teste de tolerância à lactose | Ciências em Gastroenterologia

Introdução: A má digestão de lactose detectada por testes respiratórios é bastante comum em pacientes com síndrome do intestino irritável (SII), e alguns pacientes com SII referem exacerbar seus sintomas após a ingestão de leite e produtos lácteos. A fim de uma melhor percepção sobre este tema, este trabalho investigou os efeitos da dieta isenta de lactose em pacientes com SII e teste respiratório de hidrogênio para avaliação da digestão de lactose normal ou anormal. Objetivo: Avaliar os efeitos de uma dieta isenta de lactose em pacientes de SII com ou sem teste positivo para má digestão de lactose (teste respiratório). Métodos: 80 pacientes atendidos no Ambulatório de Doenças Funcionais Intestinais do Serviço de Gastroenterologia Clínica do HCFMUSP foram recrutados para o estudo prospectivo. Os pacientes preencheram os critérios de Roma III para SII. Durante o ensaio do teste respiratório de hidrogênio todos os sintomas desencadeados pela ingestão de lactose foram anotados. Ambos os grupos de pacientes com e sem má digestão de lactose, foram submetidos a uma dieta isenta de lactose durante 4 semanas. A história prévia de intolerância ao leite e derivados também foi documentada. No final de cada semana, os pacientes foram solicitados a informar a respeito dos seus sintomas, e os resultados, foram devidamente marcados de acordo com a sua intensidade (Escore Global). Além disso, foi também obtida a Avaliação Global do Paciente no final do tratamento (AFG). Resultados: 33/80 (41,25%) pacientes com SII tiveram um teste respiratório anormal para a má digestão de lactose, e 47/80 dos pacientes (58,75%) com SII tiveram um teste respiratório normal (ns). Não houve diferença significativa na freqüência de queixas de intolerância prévia ao leite e derivados em ambos os grupos. No entanto, mais pacientes no grupo com má digestão de lactose referiram sintomas durante o teste respiratório com 25 g de lactose do que o grupo com digestão normal a lactose (p <0,001). Ambos os grupos igualmente melhoraram após uma dieta isenta de lactose, quando avaliados pelo escore geral e pelo AFG. Conclusões: Ambos os grupos de pacientes com SII, com e sem má digestão de lactose, melhoraram após 4 semanas de dieta isenta de lactose. Os nossos resultados sugerem que outros mecanismos, além da intolerância à lactose, devem ser levados em conta para explicar a melhora com uma dieta isenta de lactose em pacientes com SII Introduction: Lactose intolerance detected by respiratory tests is rather common in patients with irritable bowel syndrome(IBS); also, some IBS patients refer their symptoms exacerbate after ingestion of milk and dairy products. In order to gain some insight into this topic we investigated the effects of a lactose-free diet in IBS patients with and without lactose intolerance diagnosed by means of the hydrogen respiratory test. Objective: To evaluate the effects of a lactose-free diet in IBS patients with and without lactose intolerance. Methodos: 80 patients who attended the outpatient clinic at the University of São Paulo School of Medicine Hospital, Brazil, were recruited for this prospective study. Patient met the Rome III criteria for IBS. During the hydrogen respiratory test all the symptoms triggered by lactose ingestion were taken down. Both groups of patients, with and without lactose intolerance, were submitted to a lactose-free diet for 4 weeks. Previous history of milk/dairy products intolerance was documented. At the end of each week, patients were asked to inform about their symptoms and the results were duly scored according to their intensity (Global Score). Also, the Patient Final Global Evaluation of the Treatment (PFGET) was obtained as well. Results: 33/80 (41.25%) IBS patients had an abnormal respiratory test for lactose intolerance; 47/80 (58.75%) IBS patients had a normal respiratory test (n.s.). There was no significant difference in the frequency of previous complaints after milk/dairy products ingestion in both groups. However, more patients in the lactose intolerant group referred symptoms during the respiratory test with 25 g of lactose than the lactose tolerant group (p<0,001). Both groups similarly improved after a lactose-free diet when evaluated by both the Global Score and the PFGET. Conclusions: Both groups of IBS patients, with and without lactose intolerance, improved after a 4-week lactose-free diet. Our results suggest that other mechanisms, in addition to lactose intolerance, should be taken into account to explain why IBS patients improve with a lactose-free diet
Share - Bookmark