Influência da suplementação de cafeína na perfomance física de ratas submetidas ao treinamento físico e sua relação com o estresse oxidativo.

Doctoral thesis Portuguese OPEN
Cunha, Simone de Fátima Viana da (2012)
  • Subject: Natação | Glutationa | Catalase | Superóxido dismutase

Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas. Núcleo de Pesquisas em Ciências Biológicas, Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação, Universidade Federal de Ouro Preto. Devido à utilização da cafeína como suplemento por atletas; sua relação com o estresse oxidativo gerado pelo exercício físico; e do alto consumo de café no Brasil, de sua importância como fonte de compostos bioativos na dieta, o objetivo deste trabalho foi avaliar se a suplementação de cafeína influencia na performance física de ratas submetidas ao treinamento físico e sua relação com o estresse oxidativo. Para isso, foram realizados 2 experimentos, sendo o primeiro realizado com 40 ratas da linhagem Fischer, divididas em 4 grupos com 10 animais cada. Os grupos foram: C-controle, CC-controle+cafeína, T-treinado, TC-treinado+cafeína. Os animais dos grupos C e T receberam dieta AIN-93M e os animais dos grupos CC e TC, dieta AIN-93M + cafeína (12 mg/Kg/dia). No segundo experimento, foram utilizadas 28 ratas, sendo divididas nos mesmos 4 grupos com 7 animais cada. A dose de cafeína utilizada foi de 15 mg/Kg/dia. Nos 2 experimentos, os animais praticaram natação 5 dias/semana, 30 minutos/dia, durante 7 semanas e com aumento progressivo da carga, de 1 a 5% do peso corporal. Para os animais do 2º experimento, foram realizados dois testes de exaustão, sem carga. O primeiro após 30 dias de dieta suplementada ou não com cafeína e o segundo, no final do experimento. Esses animais foram submetidos ao teste do lactato, onde nadaram com carga de 7,5% do peso corporal. A ingestão alimentar, o ganho de peso foram monitorados semanalmente e após 7 semanas, os animais foram sacrificados, o sangue e os órgãos foram coletados para dosagens bioquímicas e de estresse oxidativo. Os resultados do primeiro experimento mostraram que os efeitos da cafeína foram: aumento da ingestão alimentar; elevação do peso relativo do fígado, do músculo gastrocnêmio, da gordura abdominal e dos níveis de PON (paraoxonase). Os resultados do segundo experimento mostraram que a suplementação da dieta com cafeína não aumentou o tempo de natação e a concentração de lactato sanguíneo não chegou à sua estabilização. Quanto aos seus efeitos, a cafeína foi responsável por elevar o ganho de peso; aumentar a massa muscular; elevar os níveis de TBARS (Substâncias Reativas ao Ácido Tiobarbitúrico) no músculo gastrocnêmio, a catalase no músculo sóleo e a proteína carbonilada no fígado. Quando associada ao grupo controle, a cafeína reduziu a proteína carbonilada no músculo gastrocnêmio e reduziu a atividade da catalase no fígado e rins quando associada ao grupo treinado. Além disso, quando associada ao grupo treinado elevou as concentrações de creatinina e glutationa e a atividade da catalase no coração. A adição de 12 mg de cafeína/kg na dieta de ratas Fischer mostrou um efeito positivo sobre a atividade da PON (paraoxonase) e a dose de 15 mg/kg apresentou uma ação tecido específica para as defesas antioxidantes. __________________________________________________________________________________________ ABSTRACT: Caffeine has been used as a supplement by athletes and has association with oxidative stress that is generated by exercise, and due the high consumption of coffee in Brazil and its importance as a source of bioactive compounds in the diet, the aim of this study was to evaluate if caffeine supplementation influences on physical performance of rats subjected to physical training and its association with oxidative stress. Two experiments were carried out. The first one used 40 female Fischer rats, divided into 4 groups of 10 animals each. The groups were: C-control, CC-control+caffeine, T-trained, TC-trained+caffeine. The animals in groups C and T were fed with AIN-93M diet and animals of CC and CT groups with AIN-93M+caffeine (12 mg/kg/day) diet. In the second experiment, 28 female Fischer rats were used, divided in the same groups of seven animals each. The caffeine level used in the diet was 15 mg/kg/day. In the two experiments, the animals practiced swimming 5 days/week, 30 min/day during 7 weeks and the load was progressively increasing from 1 to 5% of body weight. In the animals of the second experiment, two exhaustion tests without load were performed. The first test was in 30 days of diet supplemented or not with caffeine, and the second at the end of the experiment. These animals were submitted to the lactate testing, they swam with a load of 7.5% of body weight. Food intake, weight gain was monitored weekly and after seven weeks, the animals were sacrificed, blood and organs were collected for biochemical and oxidative stress assays. The results of the first experiment showed that the effects of caffeine were: increasing food intake, raising the relative weights of liver, gastrocnemius muscle, abdominal fat and levels of PON. The results of the second experiment showed that supplementing the caffeine in the diet did not increase the swimming time and blood lactate concentration did not reach its stabilization. As to its effects, caffeine was responsible for raising the weight gain, increase muscle mass, increase levels of TBARS in the gastrocnemius muscle, catalase in the soleus muscle and protein carbonyl in the liver. When associated to the control group, caffeine reduced the protein carbonyl in gastrocnemius muscle and as well as the activity of catalase in the liver and kidneys when associated with the trained group. Moreover, when associated with the trained group increased creatinine concentrations and glutathione and catalase activity in the heart. The addition of 12 mg caffeine/kg in the diet of female Fischer rats showed a positive effect on the activity of PON and addition of 15 mg/kg showed an response tissue-specific in the antioxidant defenses.
Share - Bookmark