Caracterização ambiental de uma fazenda produtora de madeira em Rio Negrinho, SC

Master thesis Portuguese OPEN
Scariot, Eliziane Carla (2008)
  • Publisher: Florianópolis, SC
  • Subject: Recursos genéticos vegetais | Fazendas | Rio Negrinho (SC) | Madeira | Vegetacao - | Classificação | Paisagens

Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Recursos Genéticos Vegetais O objetivo desta pesquisa foi realizar uma caracterização da paisagem e da vegetação nativa de uma fazenda produtora de madeira - Santa Alice, localizada no município de Rio Negrinho, visando subsidiar o processo de restauração ambiental de áreas ciliares de fazendas produtoras de madeira no Planalto Norte Catarinense. Para caracterização da paisagem foram elaborados mapas de declividade, hipsometria e cartas do uso e cobertura da terra dos anos de 1956, 1978 e 2005 e cartas de conflitos ambientais da fazenda por meio do software ArcGis 9.2. Para a caracterização florística realizou-se um levantamento da composição, estrutura e síndromes de dispersão e polinização da comunidade arbustivo-arbórea, dos elementos naturais da paisagem da fazenda (manchas e corredores de vegetação nativa), pelo método de levantamento florístico de pontos quadrantes. Foram estabelecidos quatro grupos amostrais: manchas com floresta avançada (MA), manchas de floresta intermediária (MI), corredores ciliares de floresta avançada (CA) e corredores ciliares de estrutura herbáceo-arbustiva (CHA) em processo de restauração ambiental, para a caracterização florística. A fazenda possui uma área de 1.454ha, sendo 49,4% desse total, destinado a produção de madeira e 50,6% correspondem aos fragmentos naturais com fitofisionomias herbáceo-arbustiva (13,8%), florestal (36,3%) e áreas de banhado (0,47%). A rede hidrográfica da fazenda é composta por 2 cursos d'água principais, os quais constituem uma complexa rede de corredores naturais. A dinâmica de uso e cobertura da terra mostrou que houve a substituição de áreas de vegetação nativa pelo plantio de floresta de Pinus taeda e Eucalyptus spp. entre 1956 e 1978, devido a exploração da araucária e imbuia e, posteriormente pelo desenvolvimento da silvicultura. De 1978 a 2005 observou-se uma redução de 11,4% nas áreas destinadas a produção de Pinus e Eucalipto e um aumento de 9,3% das áreas de vegetação nativa, em função das modificações que ocorreram na legislação ambiental em 1986 e 1989. As manchas e os corredores ciliares da Fazenda Santa Alice apresentaram variações quanto a composição e riqueza florística, apontando para estágios sucessionais secundários distintos. As síndromes de polinização e dispersão para as espécies identificadas nos quatro grupos amostrais foram zoofilia e zoocoria. O padrão de distribuição diamétrico e de altura confirmou a formação de três comunidades com estrutura florestal - MA, MI e CA - e uma comunidade com estrutura herbáceo-arbustiva nos corredores ciliares em processo de restauração na fazenda (CHA). A similaridade florística, agrupou os corredores ciliares (CA e CHA) e isolou as manchas (MA e MI) indicando diferenças na composição e riqueza florística entre as áreas estritamente ciliares e as manchas. A comunidade arbustivo-arbórea dos corredores ciliares (CHA) em processo de restauração natural apresentou 42 espécies arbóreas, com síndromes de polinização e dispersão predominantemente zoofílica e zoocórica. A heterogeneidade florística entre as manchas e corredores de vegetação nativa da fazenda, bem como, dentro dos corredores ciliares em processo de restauração representa um subsídio e também um alerta em programas de restauração. Como alerta, revela a complexidade dos processos sucessionais e do recrutamento de espécies dentro de uma paisagem e dentro da própria área a restaurar. Como subsídio, aponta para a necessidade conhecer melhor os processos de formação das comunidades naturais, sobretudo de áreas em processo de restauração.
Share - Bookmark