Qualidade do sono entre professores e fatores associados

Doctoral thesis Portuguese OPEN
Denise Andrade Pereira Meier (2016)
  • Publisher: Universidade Estadual de Londrina. Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva.
  • Subject: Sono - Qualidade | Professores | Saúde e trabalho | Políticas públicas | Sleep | Quality | Teachers | Health and work

O sono desempenha função notável na prevenção de doenças, manutenção e recuperação da saúde física e mental. Como processo reparador, sofre influências de fatores determinantes e condicionantes, que o tornam complexo e multifacetado. As condições adversas de trabalho enfrentadas por professores podem prejudicar sua qualidade de vida e, consequentemente, seu padrão de sono. Este estudo objetivou analisar a qualidade do sono e fatores associados em professores da educação básica. Trata-se de um estudo transversal com professores do ensino fundamental e médio, alocados nas 20 escolas com maior número de docentes da rede estadual de Londrina-PR. A coleta de dados, de agosto de 2012 a junho de 2013, deu-se por entrevistas e aplicação de um questionário respondido pelo professor. Foi analisada a associação entre pior qualidade do sono e características sociodemográficas, de estilo de vida, condições de saúde e percepções sobre o trabalho. A qualidade do sono foi obtida por meio do Pittsburgh Sleep Quality Index, considerando-se a pior qualidade do sono escores superiores a cinco pontos. Os dados foram digitados e tabulados no programa Epi Info e Statistical Package for the Social Sciences, respectivamente. Participaram da pesquisa 972 professores e a taxa de resposta foi de 86,3%. Com idade média de 41,5 anos, a maioria era do sexo feminino (68,3%), da raça/cor branca (74,5%), vivia com companheiro (59,1%), tinha renda familiar mensal de até R$ 5 mil (59,1%) e pós-graduação (87,5%). Mais da metade (52,9%) referiu inatividade física, 8,0% relataram fumar e metade consumia bebida alcoólica. Cerca de 70% citaram o consumo diário de café. As condições de saúde mais frequentemente referidas foram: dor crônica (42,1%), ansiedade (25,1%) e depressão (15,4%). A prevalência de pior qualidade do sono foi de 54,3%. Associaram-se à pior qualidade do sono nas análises bivariadas: renda mensal familiar de até R$ 5 mil, inatividade física, relatos de diagnóstico de hipertensão, depressão, ansiedade e dor crônica, ter três vínculos de trabalho, ter sofrido violência física ou psicológica e percepção negativa em relação a: remuneração, equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, tempo para lazer e família, quantidade de alunos por sala de aula, ritmo e intensidade do trabalho, número de tarefas realizadas e tempo disponível para preparar atividades. Entre as variáveis de condições de trabalho, após análises ajustadas, permaneceram associadas à pior qualidade do sono: ter sofrido violência física ou psicológica no trabalho como professor, percepção negativa em relação ao tempo para lazer e para a família e ao equilíbrio entre vida pessoal e profissional. A análise detalhada da violência revelou que todos os tipos permaneceram associados à pior qualidade do sono mesmo após ajustes. Os dados identificados indicam aspectos importantes sobre a qualidade do sono e sua associação com algumas características do trabalho docente. Espera-se que os resultados despertem reflexões para formular políticas públicas que melhorem as condições laborais desses profissionais, minimizando os efeitos sobre sua qualidade de vida, incluído o sono. Sleep has a notable role in disease prevention, maintenance and recovery of physical and mental health. As a restorative process, it undergoes influences of determinants and conditioning factors, which make it complex and multifaceted. Adverse working conditions faced by teachers can impair their quality of life and, consequently, their sleep pattern. This study aimed to analyze sleep quality and associated factors in primary education teachers. This is a cross-sectional study with elementary and middle school teachers, located in the 20 schools with the highest number of teachers in the state of Londrina-PR. The data collection, from August 2012 to June 2013, occurred through interviews and application of a questionnaire answered by the teachers. The association between poor sleep quality and socio-demographic characteristics, lifestyle, health conditions and perceptions about work was analyzed. The analysis of quality of sleep was obtained by the Pittsburgh Sleep Quality Index, considering the worst quality sleep scores greater than five points. The data were typed and tabulated in the Epi Info program and Statistical Package for the Social Sciences, respectively. 972 teachers participated in the study and the response rate was 86.3%. With a mean age of 41.5 years-old, the majority is female (68.3%), Caucasian / White (74.5%), have lived with partner (59.1%), have monthly family income up to R$ 5,000.00 (59.1%) and have a post-graduation (87.5%). More than half (52.9%) reported physical inactivity, 8.0% reported smoking and a half of the teachers have consumed alcoholic beverages. About 70% cited daily coffee consumption. The health conditions most frequently reported were chronic pain (42.1%), anxiety (25.1%) and depression (15.4%). The prevalence of poor sleep quality is 54.3%. They were associated with the worst quality of sleep in bivariate analyzes: monthly family income of up to R$ 5,000.00, physical inactivity, reports of diagnosis of hypertension, depression, anxiety and chronic pain, having three employment links, having suffered physical or psychological violence and negative perception regarding: remuneration, balance between personal and professional life, leisure time and family, number of students per classroom, pace and intensity of work, number of tasks performed and time available to prepare activities. Among the working conditions variables, after adjusted analysis, they remained associated with poor sleep quality: physical or psychological violence at work as a teacher, negative perception regarding leisure time and family, and the balance between personal and professional life. A detailed analysis of violence revealed that all types remained associated with poor sleep quality even after adjustment. The data identified have indicated important aspects about the quality of sleep and its association with some characteristics of the teaching work. It is expected that the results elicit reflections to formulate public policies that improve the working conditions of these professionals, minimizing the effects on their quality of life, including sleep.
Share - Bookmark