O “Ranking Brasileiro de Pesquisa” e os Princípios de Berlim Para Rankings de Instituições de Ensino Superior

Article Portuguese OPEN
Fausto, Sibele ; Calero-Medina, Clara ; Noyons, Ed (2016)
  • Publisher: Fundação Instituto de Administração - FIA
  • Journal: Future Studies Research Journal: Trends and Strategies (issn: 2175-5825)
  • Related identifiers: doi: 10.7444/future.v8i2.239
  • Subject: Rankings | Ranking Brasileiro de Pesquisa | Diretrizes | HF5001-6182 | Business | Princípios de Berlim para Rankings de Instituições de Ensino Superior | HF1-6182 | Commerce | Rankings; Ranking Brasileiro de Pesquisa; Diretrizes; Princípios de Berlim para Rankings de Instituições de Ensino Superior

Os rankings estão ganhando destaque como instrumentos de avaliação das instituições de ensino superior. Nos últimos anos surgiram vários rankings, tanto nacionais como internacionais. O Ranking Brasileiro de Pesquisa (BRR) foi lançado em 2014 no Brasil e mede o desempenho das instituições de pesquisa científica brasileiras. Usando um sofisticado conjunto de indicadores bibliométricos, o ranking tem como objetivo fornecer medições altamente precisas do impacto científico destas organizações e do seu envolvimento na colaboração científica, e sua fonte de dados é a base Web of Science, considerando publicações indexadas no período entre 2003 e 2012. O presente artigo analisa se o BRR segue as recomendações do documento “Princípios de Berlim para Rankings de Instituições de Ensino Superior”, elaborado em 2006 pelo Grupo Internacional de Especialistas em Rankings, contendo um conjunto de dezesseis diretrizes para orientar os produtores de rankings na elaboração de suas classificações. O cotejo das características do BRR com os princípios de Berlim mostrou que esse ranking está perto de completar sua conformidade aos princípios recomendados para rankings.
  • References (29)
    29 references, page 1 of 3

    Figura 1: Crescimento mundial a longo prazo de estudantes internacionais do nível superior (1975-2013) Fonte: Unesco, 2015

    Waltman et al (2011a; 2011b) e Waltman e Schereiber, 2012.

    Aguillo, I. F., Bar-Ilan, J., Levene, M. & Ortega, J. L. (2010). Comparing university rankings. Scientometrics, 85(1), 243-256.

    Almeida Filho, N. (2011). Rankings, vikings, masters & colleges: dilemas da universidade brasileira no contexto da internacionalização. Conferência ministrada no Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, em 25 de abril de 2011. 16 p. [impresso].

    Badri, M. A., Donald, D., & Donna, D. (1995). A study of measuring the critical factors of quality management. International Journal of Quality & Reliability Management, 12(20), 36-53.

    Buela-Casal, G., Gutiérrez-Martínez, O., Bermúdez-Sánchez, M. P., & Vadillo-Muñoz, O. (2007). Comparative study of international academic rankings of universities. Scientometrics, 71(3), 349-365.

    Cavacini, A. (2015). What is the best database for computer science journal articles?. Scientometrics, 102(3), 2059-2071.

    CWTS Brazilian Research Ranking (2015). Methodology. Leiden: CWTS. Recuperado em 9 out. 2015 de http://brr.cwts.nl/methodology.

    Folha de S. Paulo (2014). Como é feito o Ranking Universitário Folha. São Paulo: Folha de São Paulo. Recuperado em 10 out. 2015 de http://ruf.folha.uol.com.br/2014/oruf/comoefeitorankinguniversidades/.

    Hood, W. W., & Wilson, C. S. (2001). The scatter of documents over databases in different subject domains: how many databases are needed?. Journal of the American Society for Information Science and Technology, 52 (14), 1242-1254.

  • Metrics
    No metrics available