CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DO MEL DE MELIPONA FULVA LEPELETIER, 1836 (HIMENOPTERA: APIDAE: MELIPONINAE) UTILIZADA NA MELIPONICULTURA POR COMUNIDADES TRADICIONAIS DO ENTORNO DA CIDADE DE MACAPÁ-AP

Article English OPEN
Alison Felipe Alencar Chaves ; Jorge Emílio Henriques Gomes ; Arley José Silveira da Costa (2012)

O estudo buscou determinar as características físico-químicas do mel de abelha sem ferrão Melipona fulva Lepeletier, 1836 (Hymenoptera: Apidae: Meliponinae) utilizada na meliponicultura por comunidades tradicionais do entorno da cidade de Macapá, AP. As características físico-químicas analisadas foram: umidade, cinzas, acidez, pH, condutividade e hidroximetilfurfural. Os resultados foram expressos em média ± desvio padrão e comparados com os valores limites presentes na legislação vigente e com dados da literatura para outras espécies de abelhas sem ferrão e Apis mellifera L. Observou-se que o mel analisado não satisfez os padrões referenciados pela Legislação Brasileira sobre teor de umidade, cinzas e hidroximetilfurfural. Há correlação positiva entre pH e umidade, entre teor de cinzas e condutividade elétrica e entre cinzas e pH. Um pH baixo denota mel mais ácido o que pode dificultar o crescimento de microorganismos e compensar a umidade elevada. O mel analisado apresentou coloração clara, baixo teor de cinzas e reduzida condutividade elétrica corroborando a relação entre a presença de espécies condutoras, como os minerais, e a coloração. Processos que alteram características do mel a fim de adequá-lo à legislação erigida para méis de A. mellifera não são eficazes para todos os parâmetros que, porventura, se afastem dos valores tolerados pela legislação além de descaracterizar o mel das abelhas sem ferrão. Sugere-se que, consideradas as características específicas dos méis de meliponíneos, uma legislação específica seja criada para atender os requisitos destes produtos.   Palavras-chave: físico-química; química analítica; meliponíneos; controle de qualidade de alimentos.   DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v2n1p1-9