Informação e Igualdade de oportunidades. Narrativa de um caso prático.

Article Portuguese OPEN
Fernandes, Judite Canha (2007)
  • Publisher: Actas do Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas
  • Journal: Actas do Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (issn: ad______)

Propomos nesta comunicação descrever em síntese o processo de concepção, construção, implementação e animação do CIPA - Centro da Informação, Promoção e Acompanhamento de Políticas de Igualdade, que resultou de uma candidatura ao Programa de Iniciativa Comunitária INTERREG III B - Açores, Madeira e Canárias, no âmbito do Projecto "VIOLETA". Nos Açores, o "VIOLETA" foi promovido pelo Instituto de Acção Social e gerido pela Novo-Dia, Associação para Mulheres e Jovens em Risco. Após a conclusão do projecto, tornou-se uma valência da Associação Novo Dia e conta com três técnicas afectas: uma técnica superior BAD (a tempo parcial), uma socióloga e uma animadora sociocultural (a tempo inteiro). O CIPA tem o seu espaço físico em São Miguel, Açores, e o seu catálogo disponível em www.cipavioleta.org. Enquadra-se na definição de “Centro de Documentação Especializado”, embora face ao contexto contemporâneo da Sociedade da Informação, seja melhor definido com um Centro de Informação com uma valência de biblioteca tradicional e digital (mista). Disponibiliza informação nas seguintes áreas temáticas: Antropologia; Ciência; Conflito social/Violência; Direito; Família; Gestão; Estatística/demografia; Filosofia; Língua/Literatura; Media; Política; Política da União Europeia; Saúde; Sexualidade; Sociologia; Teologia/Religião e Trabalho O CIPA trabalha com informação, mas também com coeducação, estudos sociológicos e apoio jurídico, disponibilizando os seguintes serviços: * Centro de Documentação/Informação em matéria de igualdade de oportunidades; * Esclarecimento e aconselhamento (jurídico) no âmbito da igualdade de oportunidades; * Acções de sensibilização a jovens e população em geral; * Acções de formação a docentes e outros/as técnicos/as nas escolas, e à Administração Pública regional; * Cursos, encontros e seminários em matéria igualdade de oportunidades, para a população em geral; * Realização de diagnósticos e estudos nos Açores sobre igualdade de oportunidades e igualdade de género. É nosso objectivo neste artigo partilhar os desafios, “altos e baixos”, aprendizagens e descobertas deste processo até agora, considerando dois princípios básicos: informação como uma ferramenta para a mudança e empowerment das pessoas e das sociedades e os processos como histórias de aprendizagens em desenvolvimento.
Share - Bookmark